Continua após a publicidade..

O uso de vitrais na arquitetura é uma prática antiga que remonta à Idade Média e continua a encantar arquitetos e admiradores de design até os dias de hoje. Essas obras de arte feitas com vidro colorido e chumbo, conectadas para formar composições impressionantes, são encontradas em diversos tipos de construções, desde catedrais e capelas até hotéis e lojas de departamentos.

De capelas góticas a mesquitas engenhosamente projetadas, os vitrais são capazes de transformar a luz natural em um espetáculo de cores e desenhos. Arquitetos renomados como Oscar Niemeyer, Philip Johnson e Antoni Gaudí utilizaram essa forma de arte para enriquecer seus projetos mais icônicos, tornando os vitrais uma parte essencial do patrimônio arquitetônico mundial.

Continua após a publicidade..

Conheça os vitrais mais fascinantes ao redor do mundo – Uma viagem visual pela arte e arquitetura

Capela Gótica em Paris

Encomendada no século XIII pelo rei Luís IX, esta capela gótica está situada na Ile de la Cité e possui 15 vitrais na nave e na abside que retratam mais de mil figuras bíblicas. Os painéis passaram recentemente por uma restauração de sete anos no valor de US$ 10 milhões (R$ 49,5 milhões), durante a qual as janelas foram removidas e limpas com lasers.

Catedral de Barcelona

Continua após a publicidade..

Talvez a obra mais icônica do arquiteto Antoni Gaudí, esta catedral catalã do modernismo domina o horizonte de Barcelona e contém um impressionante arco-íris de vitrais abstratos. Ainda incompleto, o edifício é agora dirigido pelo arquitecto Jordi Faulí, que anunciou recentemente que a fase final da construção está em vias de ser concluída em 2026, exatamente um século após a morte de Gaudí.

Cúpula Tiffany – Chicago

A cúpula Louis Comfort Tiffany no Centro Cultural de Chicago mede 11,5 metros de diâmetro, tornando-se uma das maiores cúpulas de vitral do mundo. Mantida por uma estrutura ornamentada de ferro fundido que apresenta cerca de 30 mil peças de vidro em forma de escamas de peixe, a cúpula foi concluída em 1897, mesmo ano em que o prédio foi inaugurado como a primeira biblioteca pública da cidade. A cúpula passou por uma restauração meticulosa em 2008 e agora é iluminada eletricamente.

Descubra a incrível história por trás dos vitrais icônicos - Arte e religião se encontram na arquitetura

Descubra a incrível história por trás dos vitrais icônicos – Arte e religião se encontram na arquitetura

Os vitrais ao redor do mundo

Os vitrais valorizaram os edifícios desde a Idade Média e continuam a cativar arquitetos e amantes do design até hoje. Usadas tradicionalmente – e às vezes até como tetos – as obras são construídas com peças de vidro colorido conectadas e contornadas por tiras de chumbo. É comum ver estes detalhes impressionantes em edifícios religiosos, como catedrais e mesquitas, embora também tenham se tornado populares em espaços seculares a partir do século XIX e agora adornem casas particulares, hotéis, edifícios culturais e lojas de departamentos. De uma capela gótica em Paris a um hotel na Cidade do México, dê uma olhada em alguns dos mais belos vitrais do mundo e veja como arquitetos como Philip Johnson, Oscar Niemeyer e Antoni Gaudí usaram a forma de arte em alguns de seus designs mais icônicos.

A catedral projetada por Oscar Niemeyer

O distinto vitral da catedral projetada por Oscar Niemeyer foi criado pela artista Marianne Peretti em 1990. A obra de 2044 m² apresenta vidro azul, verde, branco e marrom.

O Patrimônio Mundial da UNESCO

A construção do Patrimônio Mundial da UNESCO começou em 796 sob o imperador Carlos Magno e foi ampliada durante a Idade Média. O santuário gótico é revestido por vitrais de quase 25 metros de altura, projetados por Walther Benner e Anton Wendling depois que o vidro original foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial.

A igreja neogótica de Le Havre

A igreja neogótica foi construída na década de 1950 na cidade portuária francesa como uma homenagem aos 5 mil cidadãos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial, quando a cidade foi quase completamente destruída. O arquiteto Auguste Perret foi fundamental no plano de reconstrução da cidade e projetou a igreja, que apresenta uma torre de 106 metros forrada com vitrais.

«
»